quarta-feira, 18 de maio de 2022

Jean-Luc Picard: crónicas da juventude


Mas que grande salsada, esta segunda temporada de Star Trek: Picard. Jesus. Não vou dizer mais nada, para não começar a chorar. E também porque já recomendei a série aos amigos da Sala Azul, agora já não dá para desrecomendar. Vou, porém, falar à mesma do Jean-Luc e do Star Trek: Nemesis que vi recentemente. Então não é que, para representar uma versão jovem da personagem, o filme não utiliza aqueles rejuvenescimentos do photoshop versão trial que nos fazem sangrar dos olhos e uivar do estômago. Verdade, em vez de encerar as trombas do senhor vai buscar uma tecnologia inovadora muito mais interessante: contratam outro ator. Wow! É fazer figas para ver se isto pega.

terça-feira, 17 de maio de 2022

Marte, 1995


A melhor série de ficção científica da atualidade regressa a 10 de junho. Depois de Sweet Dreams é Black Hole Son a dar música a mais um trailerzaço, rumo a Marte. Que, verdade seja dita, sonho ou realidade, nunca nos deixou.

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Para o infinito e muito mais além


Diretamente para o Panteão das Maravilhas de Ficção Científica Feitas com Sete Euros, lado a lado com o Coherence e Primer. É sempre um deleite percorrer um filme que com quase nada passa por todas as casas possíveis e imaginárias. Com um pé numa premissa relativamente simples - um dono de café descobre que a sua televisão projeta dois minutos no futuro - entramos num crescendo hilariante de possibilidades: dei por mim a parar e a rabiscar num cadernito aquelas contas de cabeça, no complexo frente a frente de monitores. Puxa por nós porque segue exatamente o que nós tentaríamos fazer. Divertido, prático, inteligente, Beyond the Infinite Two Minutes é um take único de 70 minutos que vos vai carregar as baterias para o resto do ano.

sexta-feira, 13 de maio de 2022

quinta-feira, 12 de maio de 2022

As tatuagens mais famosas do cinema



O cinema que retrata enfermeiras de fartos seios no cio é nobre, mas ainda assim a proposta do Pedro para abordar esta temática foi recusada a favor de tatuagens. As mais famosas tatuagens do cinema, diz o Carlos a abrir pela primeira vez um livro que comprou no ebay com a biografia da mãe do tatuador da afilhada de Pamela Anderson. E assim se desfilam magníficas histórias de tatuagens, desde aquela que Miguel fez quando esteve preso por bater numa prima alcoolizada que fazia demasiado barulho enquanto estavam a ver o Sliders, ali para os lados de Espanha onde eles viviam até à tatuagem do Faustino de Fiães que exige o desenho das Nalgas nas nalgas. E é isto, tatuagens. LOL

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Bonecas, comboios e desilusões

A segunda temporada de Russian Doll faz exatamente o que o segundo filme do Happy Death Day fez: passa de um loop temporal para uma viagem no tempo. Mas ao contrário deste último, que subiu um degrau, a nova aventura de Natasha Lyonne não consegue manter aquela energia do primeiro acto, da primeira morte, ou da primeira morte muitas vezes. Arriscam é certo, num comboio familiar, no carril do luto, mas é tudo pouco claro, com muitos ramos que não levam a lugar algum (o arco do Charlie Barnett então é completamente desaproveitado). Faz falta aquela armadilha temporal, aquela charada que vamos destapando e resolvendo. Fica outra coisa muito diferente, bem feita, mas muito diferente.

segunda-feira, 9 de maio de 2022

15 anos de Créditos Finais

Meio que aldrabados, porque o nino tirou aquela sabática blogger mais marota. Faz parte, acho eu. A gracinha destas primaveras reside no facto de que, 15 anos depois, no mesmo dia, volto a escrever um texto sobre um filme do Sam Raimi. Na altura o infame Spider-Man 3. Agora Doctor Strange. Bem, espero que daqui a outros tantos nos voltemos todos a encontrar, numa qualquer bizarria aventurosa deste nosso cinema.

sexta-feira, 6 de maio de 2022

Filmes de Lobisomens



Cinema de licantropia é um dos temas preferidos do Pedro e do Miguel. Entretanto Carlos aproveita para cortar as unhas, arrancar os pelos das orelhas e depilar-se atrás. Fala-se de misticismo pagão e de lobisomens que percorrem 600 Km para ir a Lisboa nas noites de lua cheia, talvez beber um fino ao Claude's et Moret.

quinta-feira, 5 de maio de 2022

Ó Raimi, ó que lindo Raimi


[SPOILERS] É estranho mas não começa bem. Exige logo bagagem pesada dos filmes e séries anteriores, sem tentar o mínimo de construção ou preparação. A própria edição é abrutalhada (veja-se a cena do casamento), levando-nos aos tropeções até uma personagem nova. E aqui, outro problema: America Chavez, sem a experiência nem o carisma para conduzir este primeiro arco buddy avenger. Possivelmente o primeiro grande erro de casting do MCU. Assim que a câmara vira, assim que o Sam Raimi se ambienta, tudo muda: passamos a ter o terror da perseguição, apertada e sanguinária, uma Wanda em modo Carrie, a levar tudo a frente e um Doctor Strange a percorrer-se. A questionar-se. É o coração do filme a aparecer aos poucos, como o sol por cima das nuvens. Na recta final então, já estamos todos lá: nas notas musicais de um duelo ou nos demónios à volta de um zombie. Eficiente, inteligente e delicioso. As páginas soltas do arranque vão-se encontrando e agregando na ideia de uma escolha, de um caminho, de um autor. Não é o desvario que ia à espera mas pode muito bem ser a loucura necessária para abanar um pouco o jogo. 

terça-feira, 3 de maio de 2022

Assim é quase uma curta


Vou amanhã. Mas estava aqui a ver a duração do filme: duas horas? Só??? Mas paguei meio bilhete ou quê? Quer dizer que vou ter de voltar para casa no mesmo dia? Que pagode é este Marvel?

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Os limites do rosé

Os voos picados e as piruetas da câmara levam-se bem com uma caixinha de vomidrine agora este ataque ao rosé é esticar um bocado a corda. Até eu que não sou especial fã do vinho reconheço que se calhar o Michael Bay foi longe demais

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Netflix e companhia



Nas Nalgas abordam temáticas de teor financeiro e tecnológico, começando assim a sinalizar a mudança em direção ao mundo da Big Tech agora que se preparam para colocar o podcast na bolsa. Dicas de investimento e novos modelos de chapéu. Entretanto fala-se da sequela do filme de pinar que está no Netflix porque, segundo o Dr. Miguel, aquelas bolas chinesas não se enfiam sozinhas.

quinta-feira, 28 de abril de 2022

Aqui no mar

Parece que é desta. Já com a perna toda inchada dos beliscões, mas sim parece que é mesmo desta. Avatar: The Way of Water vai acontecer, com trailer a bombar no cinema já na próxima semana. Aproveito a apneia para vos contar que só no outro dia é que descobri que o The Abyss teve uma rodagem filha da puta. Não fazia ideia: malta a perder cabelo, frio, hipotermia, quase afogamentos, lágrimas, lágrimas e mais água. Equipa toda no limite. Cameron seu grande psicopata. Mas as novidades não ficam por aqui: conheci também um final alternativo com umas ondas gigantes super manhosas. Se calhar foi pelo melhor. Tudo resumido e explicado aqui

quarta-feira, 27 de abril de 2022

Maracas

Dichen Lachman faz um hat trick curioso, com Dollhouse, Altered Carbon e agora este Severance. Tudo jogos do corpo enquanto invólucro e dos muitos eus em guerra. Porém, e apesar dum papel segurinho, é Britt Lower que rouba toda a luz aos holofotes: que espectáculo, de charme, swing, negrume e desespero. Muitas saudades desde aquela maravilha que foi Man Seeking Woman. A ver se é desta que ficas por cá, porque as maracas são definitivamente tuas.


Cena de dança mais hipnotico-bizarra depois de Fresh que por sua vez era a cena de dança mais hipnotico-bizarra depois de Ex Machina

terça-feira, 26 de abril de 2022

O X marca o lugar

Obcecado por este filme. Por todo e cada frame desta incursão ao slasher sulista. Vendida como homenagem, a verdade é que X de ontem só tem mesmo as medidas: Ti West apanha boleia de um verão quente para virar rapidamente à esquerda e fazer o seu próprio tempo. Há algo de muito surpreendente, original e vibrante nestes campos, sempre à espreita. Prático mas intrigante. Personagens que não precisam de causas ou traumas martelados - sim Massacre no Texas e Gritos 2022 estou a falar convosco - construções que existem nos detalhes, nas pausas. Erguendo sem nos avisar a mitologia de terror mais interessante dos últimos anos. É o grito de Jenna Ortega, é aquele olhar submerso de Mia Goth, é a Mia Goth em tudo o resto, é o filme no filme, é o Oui Oui Marie, é a prequela que aí vem, apetece falar e voltar, sem vírgulas nem pontos finais. Caraças, que bela surpresa.

Battlestar Galactica's Suicide Squad - Os Críticos Também se Abatem

Fim de tarde no podcast amigo Os Críticos Também se Abatem para falar de tudo, não em todo o lado nem ao mesmo tempo, mas com aquela tagarelice de quem vive à brava este multiverso. Aviso já de antemão, spoiler alert, que estão presentes nesta hora, possivelmente, a melhor série e o melhor filme do ano. Confiança. Obrigado Pedro Nora pelo convite e pela bela converseta!

sexta-feira, 22 de abril de 2022

Jason X

 
[SPOILERS] O que uma pessoa faz para ir ao espaço. Começamos logo numa nota de esperança, com o Cronenberg a fazer de um gajo mandão, que decide (erradamente claro) mexer no nosso menino. Tu queres ver que isto vai ser espetacular? Não vai, o realizador de Crash é rapidamente trespassado e o Jason é congelado, juntamente com a nossa heroína. Mas congelados tipo quando deixamos aquele rissol esquecido no congelador, todos cheios de gelo. 400 anos depois são resgatados por uma tripulação muito heterogénea, com humanos e humanóides, que vem em busca de relíquias duma Terra antiga. Esta apresentação e entrada de cabeça numa mitologia nova tem algum colorido. Existe aquele espírito de algo completamente diferente, com um pequeno quê de Alien, claro. Contudo, este burburinho é silenciado pela mecânica tradicional da matança, sem resposta para as dinâmicas diferenciadoras: os efeitos aqui são fulcrais e pioram ao longo do filme, parece que gastaram tudo em pinga. Malta a tentar dar vida a personagens que não existem e frases do Arnie sem o Arnie (We found him. He's screwed é a melhor). Faz tudo um pouco parte do charme eu sei. O Uber Jason tem pinta e a homenagem com os sacos de cama é catita. Mas sai-se com a ideia de que havia aqui futuro para mais futuro.

quinta-feira, 21 de abril de 2022