segunda-feira, 3 de outubro de 2022

Hall 2022


O monólogo de Rebecca Hall em Resurrection arrisca-se a ser dos momentos de cinema mais inesquecíveis e impressionantes deste ano. São sete minutos de penumbra estanque, onde, num sussurro irrepreensível, de contenção e mágoa, ouvimos uma história. É o clímax, o clique. Tudo antes e tudo depois só poderá ser discutido e desconstruído porque "uma vez havia uma rapariga". Fosse este thriller de horror um dramazeco autobiográfico, com uma cantora, uma princesa ou uma vendedora de perfumes, de peruca e nariz falso, a chorar em falsete, e os prémios vinham que nem pãezinhos quentes. 

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

Prey e as estreias nas "plantaformas"



O novo predador estreou numa plataformaline. E é pena. Porque Nas Nalgas teriam dado o seu testículo do meio, o do Carlos, para o ver em sala. Fala-se hoje deste fenómeno bizarro que são os blockbusters de televisão, do Prey e mais uma passagem pelos Predators. A quadragésima sétima.

quarta-feira, 28 de setembro de 2022

Mas deve ser lindíssimo atenção

Três horas a preto e branco da Ana de Armas a contemplar momentos de tragédia? Se calhar passo. Ou então vai numa tardada a passar baby-grows. O que escorrega que nem um verdinho numa tarde de agosto é a banda sonora dos meus meninos Nick Cave e Warren Ellis. Para ouvir de seguida aqui

terça-feira, 27 de setembro de 2022

O bom, o mau e o twistzão


Este Samaritan é bem-intencionado. Mitologia no lugar, com raízes coloridas a oferecer uma árvore um pouco diferente do resto da floresta. Porém, se há coisa que me irrita, é ainda não ter ligado a televisão e já ter percebido tudo. Foda-se, não há o mínimo de esforço ou desafio naquele que é o volte face mais importante da narrativa. É estar ali, a bater minutos à espera que nos façam a grande revelação. Até a prestação do ator criança passa, agora tomarem-nos por pepinos do mar é que não.

domingo, 25 de setembro de 2022

Evitar lagos e cabanas, sempre

Diretamente para as prateleiras "super desconfortável" e "nunca mais ver na vida". Ao lado de tesourinhos como Eden Lake. Aqui com uma irritação ainda mais profunda, com o desespero a dar lugar à apatia, com a sobrevivência a resignar-se nas normas e diferenças culturais. Estranho. Terrível. Muito eficaz.

sexta-feira, 23 de setembro de 2022

Nalgas Film Festival


O podcast Nas Nalgas do Mandarim apresenta a primeira edição do Nalgas Film Festival, um evento de um único dia que terá lugar no histórico Cinema Passos Manuel na cidade do Porto. Uma mostra para algumas das mais audazes curtas-metragens nacionais dos "amigos das Nalgas" que culminará com uma exibição muito especial do clássico de culto Anguish, do falecido realizador espanhol Bigas Luna.

Com a ajuda e parceria de vários outros podcasters e podcasts portugueses de cinema o Nalgas Film Festival contará ainda com uma Feira do Colecionador, onde os cinéfilos mais ferrenhos poderão adquirir memorabilia cinematográfica e filmes nos mais diversos formatos físicos. Para aprimorar esta paixão dos colecionadores, o CINEBLOG estreará um vídeo intitulado Streaming vs Colecionismo.

Na vertente literária, será apresentado e lançado em estreia absoluta o Anuário 22/23 do Videoclube do Sr. Joaquim. Estarão também presentes para autógrafos e venda os autores dos livros Cinememórias e Quarentugas.

Mais detalhes e informações sobre o programa, horários, bilhetes e reservas durante as próximas semanas.

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

The things I do for love

Ontem tive de ligar para a linha de apoio HBO Max a reclamar. Aliás já tinha ligado a dizer que se tinham enganado no tema do genérico e que sem querer tinham colocado a música da série anterior. Lá disseram que tiveram de poupar no compositor para poder ter Manhãzitos para a equipa toda, durante a rodagem. Compreendo. Agora, cinco episódios de House of the Dragon e nada de Olivia Cooke. Cinco episódios de "ai pinaste com o teu tio", "ai pinaste com o teu guarda-costas", "ai que não pinei nada, ai que é tudo mentira". Por favor. Lá disseram meio atrapalhados para eu não cancelar a subscrição que a nossa menina aparece já no próximo episódio. Fico à espera.

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

Asgard Pelos Ares

O Russel Crowe bem pergunta, no finalzinho, cena escondida: quando é que os deuses passaram a ser uma anedota? De facto. Qual foi a curva onde o nosso Thor virou paródia de si mesmo? Chegamos aquele ponto de marinbanço total pela personagem, onde a tragédia e a impossibilidade dos dois primeiros filmes (meu querido The Dark World foda-se) são desperdiçadas num caldeirão exausto de sketches, cabras e rock'n roll. Novos mínimos na casa do tio Feige.

terça-feira, 13 de setembro de 2022

Miguel e os filmes de paternidade



Miguel está em apuros. Acorda diariamente lavado em suor porque a natureza seguiu o seu rumo e apressamo-nos a passos largos para uma jovem portadora de casaquinho de malha a dizer que as séries do Disney Junior são muito denunciadas, os filmes originais da Disney não são nada originais, o acting é péssimo e os novos é que são bons. Hoje fala-se de filmes de paternidade, de parentalidade, de chatices com os filhos e desta realidade que nos enche de amor e pânico em simultâneo.

Finais Freeze-Frame

World War Z (2013)

segunda-feira, 12 de setembro de 2022

Na terra da magia

Há 15 anos escrevia o meu primeiro texto sobre Willow, voltando a ele de quando em vez, sempre que a magia escasseava. É a minha fantasia favorita, a que mais fez pela minha jovem fome de monstros, fadas e feiticeiros. Nervosão, portanto, ao sentir aquele aconchego na música, na voz de Warwick Davies a explicar ao mauzão como o vai derrotar: como da última vez, com os meus amigos. Foda-se vamos a isso.

domingo, 11 de setembro de 2022

Quem nunca ficou preso numa antena de TV que atire a primeira pedra


Boa surpresa este Fall. Boa música, bons planos, bons efeitos e boa tensão. As cenas de risco estão naquele patamar do "queria ter visto isto no cinema", tal é a eficácia da altura, e nunca se deixam adormecer à sombra do conceito. E depois, claro, um abutre do mais malino que há. Gosto muito de filmes com abutres maus. Faltou só aquela segurança na dupla de protagonistas. Esta queda com duas atrizes experientes tinha levado a emoção (e o drama) uns bons metros para cima.

sexta-feira, 9 de setembro de 2022

Nope (2022) e os Auteurs



Nas Nalgas regressam de um hiato quântico cósmico em busca de iluminação, na zona de cozinhas do Leroy Merlin. Consigo trazem desavenças acerca de Nope, do enfant terrible Jordan Peele, e uma profunda análise introspetiva ao que é ser um realizador de sucesso em épocas de choradeiras sociais constantes em torno das mais bizarras insignificâncias.

quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Os revisíveis, edição Snatch - As Filas da Frente

Enquanto não chega o Operation Fortune: Ruse de guerre, é hora de revisitar aquele que continua a ser o grande ponto de paragem na obra de Guy Ritchie. Snatch é o pretexto para mais um reencontro com o Jay e o Bruno, num formato cheio da tradicional galhofa mas também de categorias que não lembram ao menino Jesus. Um mimo.

The End Is The Beginning Is The End


 Casablanca (1942)

sexta-feira, 29 de julho de 2022

A melhor cena do ano

Se ainda não viram o Under Siege: Pataky edition, então é melhor sair, vai pintar spoiler. Estamos perto do final, a nossa heroína, já só com um braço funcional, luta contra o boss - tudo marinado durante semanas em anos 90 - quando do nada aparece um submarino. Dele sai o Capitão Iglo, olhar sério, sem qualquer douradinho. Um gajo a pensar, foda-se e agora? Fim da linha para a nossa menina? Claro que não, por detrás do Capitão Iglo está um sniper genérico com barbas que atira certeiro ao peito do bandido mor. Que delícia amigos, que delícia.

Mega draft de Cinema de Ação, parte 2 - As Filas da Frente

Conclusão apoteótica deste Mega Draft de Cinema de Ação, onde eu, o Bruno e o Jay levamos tudo à frente que nem comboio do Unstoppable, tentando rebentar com apeadeiros não tão evidentes. Claro que o Predador é o Predador. Como não?

quarta-feira, 27 de julho de 2022

Que coisinha mais linda

O irmão mais novo de X já tem poster, trailer e uma expetativa de bater no tecto. 

Já estamos em setembro? 

E agora, já estamos em setembro?

segunda-feira, 25 de julho de 2022

The Grabber

E por falar em monstros, The Black Phone apresenta um que vai direitinho para o panteão. Trabalho sublime de Ethan Hawke, a hipotecar o corpo, a jogar com as máscaras e as sombras, fazendo de cada uma das suas metódicas aparições um apocalipse. Mérito claro para o par de irmãos protagonista - e nós há pouco a falar de Jeepers Creepers - e para Scott Derrickson que adapta o conto de Joe Hill com uma mestria notável. Os tempos, os espaços, a expetativa, tudo certo. Um dos meus filmes do ano.