Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2008

Tom Riddle

Imagem
Half-Blood Prince é o meu livro favorito da saga Harry Potter . É o mais completo, com o enredo mais engenhoso e com o final mais negro e fatídico [se tudo tivesse acabado aqui talvez hoje em dia eu dormisse melhor]. Procura virar-se para o origem do mal [quase a prequela dentro da sequela] trazendo novos elementos e surpresas a cada mergulho dado no pensatório. Não sei se o filme conseguirá fazer o brilharete, mas o trailer mostra uma abordagem diferente, usando quase só a cena em que Dumbledore conhece o pequeno Tom Riddle . Uma ideia muito boa, muito bem concretizada.

Retratos Comic-Con 2008

Imagem
O resto da colecção aqui .

Carros,pistolas e mulheres

Imagem
Andar por aí sozinho a esta hora dá nisto. Acabo no meio do deserto com três miudas que nunca tinha visto na vida. Depois de algumas questões percebo que são uma espécie de homenagem moderna ao exploitation movie e à série B. Pelo site oficial e seu respectivo trailer deixam-me curioso, é tão mau que até pode ser tremendamente divertido. Slap Slap .

Mas porquê?

Imagem
Este poster é um forte candidato ao mistério do ano. Alguém é capaz de me explicar o que é que se passa aqui?!Ok, é um filme sobre o Matthew McConaughey a fazer de Matthew MCConayghey a fazer de surfista palerma, isso percebemos bem pelo trailer . Agora, e apesar de engolir com algum esforço o tsunami, porquê a árvore com as cabras?Parece uma mistura de Big Fish com a Arca de Noé!Há para aqui algum significado escondido?Será que é para ser visto em perspectiva ou depois de ter fumado uma quantidade criminosa de estupefacientes? Sinceramente, este é sem dúvida um poster de comer a cabeça!

O primeiro olhar

Imagem
Assim que ele a vê o tempo congela. Arrasta-se em sons lentos e melosos. É a primeira vez, o primeiro cruzamento de retinas, caracterizado tantas vezes no cinema, ora de forma séria, ora de forma mais informal. E é talvez na comédia, que este momento atinge o seu pico de criatividade. Falo disto porque ao rever Astérix e Obélix: Missão Cleópatra voltei ao segundo em que o pequenito do bigode vê a sua (imediatamente) apaixonada, numa das muitas gargalhadas que este divertidíssimo, por vezes genial, filme nos oferece. É a paródia perfeita deste primeiro olhar, pela câmara lenta e claro pela música. Impossível uma escolha mais acertada.

Pequenino sábado

Imagem
Estava eu no meu demorado e preguiçoso momento pós-almoço, com todos os músculos presos e amorfos a um fofo sofá, quando, depois do jornal da uma, a TVI me dá este filme. Já tinha lido mas nunca tinha tido oportunidade de ver. É francamente uma maravilhosa comédia que me arrancou valentes gargalhadas, com um simples e sincero sentido da infância e das suas mudanças, assente numa serenata de amor a Nova-Iorque. E o sábado molengão ganhou um novo sorriso.

The Dark Knight

Imagem
Começo por enterrar rapidamente as comparações para de seguida seguirmos viagem. Partindo do princípio que os Batmans do Joel Schumacher foram para os apanhados (ainda hoje acredito que sim) ficamos em mãos com duas abordagens tão distintas que não podem nem devem ser comparadas. A noite de Burton , recheada do burlesco e do fantasioso, é uma prima muito afastada do dia de Nolan , cheio de realidade e crueza, tão distantes que nem parecem ser da mesma família. É o mesmo nome com significados absolutamente distintos. Se tenho um favorito? Não, tanto este como Batman Regressa são obras geniais, que moram agora lado a lado no topo da minha lista, dando carinhosamente as mãos. Agora se me perguntarem qual é o meu Joker de eleição, aí a conversa já é outra! A verdade é que nunca tinha entrado para um filme com as expectativas tão altas e saído de lá com todas elas satisfeitas. A cada surpresa ia riscando a longa lista que este gigantesco hype me deu, e vi-me quase forçado a escrever mai

Liberdade

Imagem
Este desabafo vem a propósito de muitas coisas. Tudo começou devido a Sweeney Todd e à sua abundância em sangue e violência. É bom ver um filme em que a total liberdade criativa do autor está presente em todos os segundos, sem limitações nem domesticações. Respiramos ar puro. Tim Burton continua a ser dos poucos que bate o pé às restrições de idade para aumentar os lucros, e continua a fazer o seu cinema. E não é assim que devia ser? É, e já foi em tempos. O maior de 16 pouco influenciava a indústria e os filmes esses, eram feitos pelo realizador, pela sua ideia, e não pelo mestre de marionetas que se encontra lé em cima. Sagas como Die Hard e Terminator (está aqui o pequenino teaser) viram-se obrigadas a amputar grande parte da sua essência de série B, suja e agreste, para agradar a um maior leque de pessoas, passaram de lobo a cordeiro – estamos a falar de o John McClane já não poder dizer o seu Yippee-ki-yay mother fucker , estamos a falar do extreminador já não poder retirar à

Choose Life

Imagem
Choose a job. Choose a career. Choose a family. Choose a fucking big television, choose washing machines, cars, compact disc players and electrical tin openers. Choose good health, low cholesterol, and dental insurance. Choose fixed interest mortgage repayments. Choose a starter home. Choose your friends. Choose leisurewear and matching luggage. Choose a three-piece suite on hire purchase in a range of fucking fabrics. Choose DIY and wondering who the fuck you are on Sunday morning. Choose sitting on that couch watching mind-numbing, spirit-crushing game shows, stuffing fucking junk food into your mouth. Choose rotting away at the end of it all, pissing your last in a miserable home, nothing more than an embarrassment to the selfish, fucked up brats you spawned to replace yourselves. Choose your future. Choose life... But why would I want to do a thing like that? I chose not to choose life. I chose somethin' else. And the reasons? There are no reasons. Who needs reasons when you

Armando José

Imagem
Há um sketch do Herman, dos velhos tempos, em que é contada a história de Armando José, aquele que quase foi famoso. Armando tem bonecos, piadas e trejeitos muito muito parecidos aos do Herman, mas ao contrário deste nunca conseguiu alcançar o estrelato. Faltava-lhe alguma coisa. E é um pouco assim que continuo a ver todos os filmes de animação da Dreamworks , Armandos Josés da Pixar (é inevitável não comparar). O mais recente Kung Fu Panda é francamente o melhor deles todos, conseguindo momentos verdadeiramente genuínos e divertidos, faltando porém aquilo que faz o pequeno candeeiro jogar noutro campenato, aquilo que faz o Woody e companhia actuarem para todos e não só para crianças, aquilo que nos dá não só os melhores da animação, mas os melhores, ponto, aquilo...as personagens espessas que nem pessoas e as histórias maravilhosamente construídas, com todo um universo novo e forte, que nos faz pensar a sonhar, ou vice-versa. O panda consegue-o por momentos mas acaba por deixar o

Sealed With a Kiss

Imagem
Peço desculpa voltar a falar dela mas já lá vão alguns dias e a saudade apertou. A saudade e o novo trailer . Tem um pouco mais de molho e correria mas infelizmente fica uns furos abaixo do primeiro , que terminava de forma genial ao som disto. (no trailer a versão que toca é a do Bobby Vinton , porém só encontrei a do Jason Donovan. Não podemos ter tudo.)

Vamos lá semana

Imagem
Vamos começar a semana assim, felizes e televisos, com cara de panfleto de auto-ajuda e corpo de felicidade primaveril e plástica! Vamos fazer como o Jim e dizer que sim a tudo, pode ser que esta segunda se construa de absurdo e, de repente, seja o melhor dia da semana!

O brilho

Imagem
É ao som de Smashing Pumpkins (podemos esquecer que esta música fazia parte da banda sonora de Batman e Robin ?) que nos aparecem as primeiras imagens de Watchmen neste fantástico trailer . Uns odeiam, outros detestam e existem ainda aqueles que dizem que os quadradinhos deviam ter sido deixados em paz. Como me sentia bastante leigo na matéria e completamente encandeado pelo brilho desta pedra preciosa, hoje decidi ir à mina e comprei isto: Quando acabar, apaixonado ou destroçado, volto cá.

Títulos

Qual é o vosso título favorito de um filme? O meu é este.

Os sortudos somos nós

Imagem
O novo filme de Neil Burger (que nos trouxe o interessante The Illusionist ) chama-se The Lucky Ones e fala-nos do regresso à vida normal de três soldados acabadinhos de chegar da guerra do Iraque. Um trio de boas razões para estar com atenção à estreia (Setembro) e dar uma espreitadela ao trailer .

I knew all the rules but the rules did not know me

Quando gostamos muito de uma viagem cinematográfica é nos difícil transmitir aquilo que aprendemos. Podemos mostrar fotografias e relatar locais, até mesmo escrever um diário ou um roteiro, mas a essência dos sabores e dos cheiros, o gozo profundo que aqueles segundos nos deram, isso, nunca sairá de nós. E no receio de riscar um desenho que considero perfeito a todos os níveis, deixo a canção, e a garantia que este é um dos filmes da minha vida.

The Savages

Imagem
[Lembro-me de ver uma data agendada para a estreia portuguesa. Era algures em Fevereiro e as letras gordas que o anunciavam davam-me um certo conforto. Lá descansei as ofensivas e deixei o guloso tempo passar, sem me lembrar da chegada, chegando agora a constatar, o que os mais pessimistas já andavam a desenhar. The Savages foi escorraçado directamente para DVD. Sei que os cinemas andam cheios de muito boa coisa e que obras como Norbit, Epic Movie, ou mesmo a mais recente aventura de Van Damme, são programa obrigatório para os génios decisores, mas um espacinho para um dos melhores filmes do ano passado não custava assim tanto. Sem mais comentários, e antes que comece aqui a praguejar, seguimos para a crítica.] Alguém se lembra de You Can Count On Me ? Filme pequeno, escondido num ou noutro videoclube, dava-nos o complexo processo de relacionamento entre uma mãe solteira e o seu ausente irmão. Ela, Laura Linney , e ele, Mark Ruffalo , construíam desta forma um belíssimo conto de rela

No baú

Imagem
Este está na minha interminável lista de obras a rever. Filmes que com o tempo foram-se desgastando na memória e moram agora como fracções e momentos de um todo maior. Vi-o em criança e retenho a noção de que é uma daquelas peças ímpares e fulcrais do mundo da animação. Don Bluth conta-nos a história de uma mãe que para salvar a família tem de entrar numa negra a arriscada aventura, num mundo que ela nunca sonhou existir. A compra do DVD é urgente mas se a saudade apertar está ali na gaveta o velhinho e original VHS.

Os dias do gelo

Imagem
O Correio da Manhã tem lançado à sexta-feira um conjunto de DVDs com bastante qualidade. Títulos como Infame , Senhor da Guerra ou Cinema Paraíso ao preço do jornal (€0,80) + €1,95. O último foi Touching the Void , filme em jeito de documentário com reconstituições e relatos reais da jornada de dois alpinistas na Siula Grande nos Andes do Peru. É uma crua história de sobrevivência, onde as condições adversas à vida põe em causa os valores da amizade e lealdade (cortar ou não a corda?). Mais um bom filme, de uma boa colecção que leva aqui desta parte uma sensibilizada vénia. Falando do frio, está para chegar o documentário Encounters at the End of the World . Realizado por Werner Herzog , é o retrato da vida num dos locais mais inóspitos do planeta (Antártica) com imagens alucinantes , que parecem saídas dum qualquer filme de ficção científica. Incrível. Assim nestes dias de calor temos é de estar com atenção ao frio.

A sedução

Imagem
Os interesses e expectativas constroem-se muito antes de qualquer obra se mostrar ao público. Com as primeiras imagens, cenas ou nomes do elenco, conseguimos construir uma posição de grande simpatia ou desprezo completo. Sentimento que não se explica, enrola-se em complexas explicações das curvas do rosto e dos diferentes tons de uma voz. Neste jogo de amores, cairam-me no goto estas duas comédias. A primeira chama-se Henry Poole Is Here , uma história simples e pequenina (ao jeito de Lars and The Real Girl) com Luke Wilson e (a pouco aproveitada) Radha Mitchell nos principais papéis. Apesar de não ser grande entusiasta de histórias de fé, assumidamente religiosas, esta conseguiu com este trailer chamar-me a atenção. A segunda imagem, ainda sem vídeo ou música, é do mais recente filme de Michael Cera , Nick and Norah's Infinite Playlist , adaptação do romance escrito por Rachel Cohn e David Levithan, que nos conta as peripécias românticas de uma só noite. E são estas as primeira

Strike TV

É o projecto dos guionistas de Hollywood que fizeram greve, com o material escrito durante a greve. A idéia é genial. Não só permite a representação de material que de outro modo dificilmente chegaria à televisão, como esse material é com certeza fruto de um processo criativo muito mais livre e o seu resultado muito mais transparente, sem passar pelo filtro baço das grandes produtoras. Os guionistas asseguram ainda os devido direitos de autor e doarão as receitas dos primeiros três meses para o fundo criado em favor dos afectados (actores solidários incluídos) pela greve. Isto tudo ao mesmo tempo que assentam a transmissão num paradigma de TV bastante diferente do mainstream hollywoodesco . Este é o site da Strike.TV Está já online o apetitoso teaser, por enquanto as únicas imagens disponíveis no site. É estar atento, minha gente, é estar atento. Tendo em conta os cartões de visita dos guinistas ("The Office" ou "The Daily Show", por exemplo) e a liberdade criat

Casais

Estava eu a fazer um passeio de zaping, quando, chegado ao Hollywood, me deparo com High Maintenance , curta-metragem de 2006 realizada por Phillip Van . A história assenta num jantar entre um casal que se transforma num olhar sobre o futuro (actual) das relações humanas, do feminino e do masculino, do que éramos e do que somos. Para além da matáfora que carrega às costas tem também uma estética belíssima, sendo tiro certeiro na mouche do entretenimento. Se gostarem desta, aqui fica o site com o restante trabalho do senhor. Vale a pena dar uma espreitadela.

Eu estou indeciso entre estes dois

Imagem
E qual é o teu filme que nunca viste preferido?

Porque a vida às vezes é isto

Imagem
[Coffee and Cigarettes]

Bom fim-de-semana

Como no cinema

Imagem
Que este salvamento irá em breve dar um filme, disso não temos dúvida. A única questão que se coloca (e o mulherio de Hollywood já deve estar em alvoroço) é quem fará de Ingrid Betancourt ?

El Orfanato

Imagem
Reduzir O Orfanato a um filme de fantasmas é como reduzir Paris à Torre Eiffel. Há muito mais para ver nas ruas desta nova obra do cinema espanhol, na verdade há um sem número de géneros que se interligam e juntam com uma harmonia e inteligência distintas. O filme arranca com as cartas fundamentais do jogo, as crianças. Estas brincam inocentemente até um telefonema arrancar com uns créditos iniciais absolutamente fantásticos [papel de parede]. Avançamos então no tempo para o cerne da história: um casal com um filho adoptado decide reabrir um velho orfanato com o intuito de receber crianças deficientes. Na festa de inauguração o seu filho desaparece sem deixar rasto dando início a uma busca incessante que só termina com o fundo negro do fim. Esta é a base que num dia normal nos daria um vulgar conto de uma alma penada e vingativa. Mas neste orfanato há a mestria e o ritmo para nos darem: primeiro uma inevitável história de fantasmas, com o passado da velha instalação a vir ao de ci

Esclarecimentos

Imagem
Esta era uma dúvida antiga . A resposta hoje é afirmativa, sim aqui está um filme sobre sonambulismo. Apesar de gostar do poster, acho que, pelo trailer , mais valia terem deixado a temática a dormir...

Funny Games

Imagem
[Os jogos não têm limites.] Sempre torci o nariz a remakes, geralmente são filmes chatos sem originalidade nenhuma, uma cópia barata do filme em qual se baseiam, que na maioria dos casos apresenta muito mais qualidade, e resultados cinematográficos bem mais positivos, tanto para o espectador como para a companhia que o produz. Para mim o bom cinema é aquele que traz algo de novo, são aqueles filmes dos quais saímos do cinema com vontade de comprar o ingresso mágico outra vez para assistir a espectáculo que acabámos mesmo agora de ver. Confesso que nunca vi o “Funny Games” original ( Michael Haneke , Áustria 1997), mas sabia que a versão made in USA iria ter o mesmo realizador da austríaca, visto que Michael Haneke , afirmara que nunca iria deixar a sua “obra de uma vida” (considerado como o melhor filme austríaco de sempre) ser retalhada por um qualquer estúdio de Hollywood para ser vendida como um barato produto comercial destinado as grandes massas. Sem dúvida este foi um daqu

Com a minha mão no teu ombro

Imagem
Actualização: depois de um teaser que pouco ou nada mostrava chega-nos agora o primeiro trailer que pode ser visto aqui . É um deleite, visual e auditivo, musical e interpretativo. A cada imagem que passa, mais este filme me seduz (com boas ou más referências de Cannes). E tive já oportunidade de ver um dos meus momentos favoritos do livro, quando Bernal diz a Moore que não se esquecerá da sua voz. Pois bem meu rapaz ela também não se esquece da tua, cara.

Este é o bom da fita

Hellboy II : The Golden Army é um dos filmes mais esperados aqui nesta casa. E é quase com toda a certeza que digo que está aqui uma das mais loucas fantasias dos últimos anos. Enquanto esperamos que as especulações sejam factos, e depois de dois trailers fabulosos, chegam estes quatro promos absolutamente geniais. O meu favorito é o do Serviço Publico , mas o único que cacei foi este, também bastante divertido, com outro herói improvável, o inocentemente divertido Chuck .

Canções que ganham outro som (2)

O tema em questão é uma popular canção jazz dos anos 30, Jeepers Creepers . 60 anos depois Victor Salva pegou nela e deu seu nome a um filme seu, baptizando também de Creeper um dos melhores monstros do cinema actual. Esta inocente e quase alegre canção ganha uma aura premonitória do mal, um aviso que o devorador de qualquer parte do nosso corpo (a que lhe agradar) está para chegar e cada vez que ela toca, inevitavelmente trememos. Cuidado ao ligar ao rádio, pode estar a dar Jeepers, creepers...whered ya get those eyes...