Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2015

Aquele sismo leva poucas e boas

Imagem
Quando a bandeira é estendida, mesmo no fim, a minha mãe questiona inconformada: mas ainda se fazem coisas destas? Ainda, até eu que vejo muito mais treta fiquei surpreso, com tal esteoritipada, valente cabeçada, metes-te nelas e depois queres o quê? San Andreas é o Anabelle dos filmes catástrofe: respeita na totalidade o género onde está inserido e, em paralelo, é uma valente merda. O que aborrece, pois normalmente são projectos mais caros, mais raros, mais acontecimentos. E se acham, de nariz franzino que os fenómenos naturais não se podem reger por duras regras, como a gritaria, enganam-se, é um universo pouco nada flexível:  - casal protagonista divorciado que no final se desdivorcia, e beija-se cheio de feridas e costelas partidas. Normalmente há um terceiro elemento, casado já com um deles, que morre ou vai embora. Em San Andreas é o senhor fantástico, não este, o anterior, se bem que a que me dá mais pena é a gaja do Twister . O marido da Amanda Peet no 2012 também e

Sci-Fi da semana

Imagem
Infini é um sismógrafo eufórico, que risca e risca, sobe e desce, sobe e desce. Arranca seguro, rápido, prático, mas depois - apesar de continuar bem fechado e bem feitinho - arrasta-se na batatada dos infectados. Muito tempo de olho vermelho, porrada, porrada, gritaria. Para no final voltar ao clique, volte face, alerta "afinal temos aqui qualquer coisa". Se calhar temos mesmo.

O verdadeiro quarteto fantástico

Imagem
Apanhei o Scream 2 um dia destes. Já nem me lembrava que a Buffy levava umas facadas valentes. Foi naquela altura que também apanhou forte no Verão passado. Só lhe fazia era bem. Mas a minha reflexão não se prende com ela, ou pelo menos só com ela. É a saga toda, que naquele feliz zapping me chegou de empreitada, foi o secundário de novo, em todo o seu esplendor. E esquecendo a nostalgia aborrecida e repetitiva - foda-se quase que choro - a verdade é que a quadrilogia, com todos os seus podres, marcou de forma incontornável o género. O primeiro obra prima, o segundo tem o início no cinema, aquelas palmas, o terceiro ainda mais dentro dos bastidores - sempre em círculo, sempre em espelho - e o último atualiza. Resumindo tudo, com aquele que é talvez o melhor arranque. Tudo é o filme do filme do filme. Um ciclo, uma volta que regressa continuamente a manhã, como qualquer vida. Nenhum um outro produto se assume e ironiza, se circunda e se recicla, como este quarteto.

Batalhas musicais, do início ao fim (III)

Imagem
Torneiras com pressão a menos ou pressão a mais? Ou demora muito, tentando recolher cada e toda gota, ou é a bombar e ficamos de calças molhadas, do género mijado. Penso muito nisto. Nisto e naquela outra eterna: início do Chariots of Fire ou final de The Bodyguard ? Ah pois, ambos têm discurso religio-inspirador a anteceder um musicão daqueles.

Ansioso pela tradução

Imagem
Tem o melhor nome de sempre. Isso já ninguém lhe tira. Conseguia ficar aqui a dizer Cop Car até 2018. Mas como todos temos mais de fazer, vou baixar o facho, e alertar para o facto desta malha ser um cruzamento feliz entre The Rover e Fargo , roubando a desolação de um e a ironia macabra de outro, ou a desolação de ambos. Enormes planícies, muito pouca gente, muito pouco futuro. E a história que há, não interessa muito. Isto porque em tamanho perder de vista, há anos que se desistiu. Fica então a ideia despachada da fatia, do pedaço, muito cru, muito eficaz. Porque do todo, andamos nós enjoadinhos de todo.

Golpe baixo

Imagem
Pronto ganhaste. The Martian , novo trailer. Rocka em demasia. Que tu eras mestre neste pré jogo já eu sabia. Agora ires buscar o All Along The Watchtower é KO técnico, nas fuças pisadas de qualquer fã. Do espaço e cenas galacticas. Sacana de um corno.

Ainda cá temos os cabos

Imagem
Nos regressos dos velhos monstros, ficam normalmente pequenos detalhes. Como aquele De Niro em que ele vai à procura do filho e nas viagens de comboio olha para os cabos do telefone. Para as linhas que ele produziu quando vivia. Entre as conversas. Fiquei com essa, daqueles quilómetros que nos ligam. O mesmo com Danny Collins , qual exercício de final de carreira - que é claramente - qual tentativa de voltar à mestria - que é claramente e diga-se de passagem muito bem conseguida - o que sobrou foi aquele final, das duas formas de nomear, duas setas naquele agora. Dos fechos mais inspiradores do género. Que permanecem, como os monstros, que volta e meia batucam, lembrando que ainda os temos.

Ba ba

Não é por acaso que o puto diz ba ba. Se não é ba ba lembrou o Babadook . Porque é que não vou confirmar se é realmente ba ba? Porque me borrei todo de medo. Venha ele.

Todos nós

Imagem
O João avisou, e bem. A Sofia chegou, e avisou também. Tanto, que: tenho de perceber o que se passa. Em boa hora. Bloodline é das melhores coisinhas que vão ver este ano. Primeiro porque é uma série que se fecha e arruma. Apesar da sua - inevitável - continuação, a temporada trabalha por si, para si. Em segundo, não engana ninguém: família, segredos, morte. Desde cedo isso, alertando para a importância, não da finalidade do nó, mas do processo, do passo a passo com que encaramos o mesmo. A complexidade do conjunto refém de "planos" episódios, de cicatrizes, chega a ser irónico. Terceiro, fotografia, planos afastados, mirones, como se apesar de família e personagens, eles fossem em última instância outros vizinhos, estranhos que jamais poderemos realmente perceber. Por último o melhor embate, de dois titãs da representação, desde Breaking Bad e Justified . Pele atrás de pele, no ambiente suado, gasto e desconfortável. O final só poderia ser à chuva, mesmo no calor é ela

Barras passadas

Imagem

Ultimamente

Imagem
Num dos chats desta vida, no triturador da concorrência, falávamos na lógica - alastrada depois a justiça - em comparar duas temporadas com argumentos e elencos distintos. Numa orgânica cada vez mais presente, as séries fecham-se nestes pequenos loops , mantendo o nome, mudando o resto. Fica o tom, mas o que é o tom? Será ele suficiente para juntar numa mesma caixa cancros tão diferentes? Podemos pedir justificações, por esta não ser a outra? Não sei. Fazemos com o cinema a toda a hora, com a sequela da sequela, com o realizador espertalhão que virou cagalhão, com o clássico e o reboot, com o vai a seco ou halibut. Está na nossa natureza, perseguir a unidade e comparar. Conclusão? A segunda temporada de True Detective viveu refém do primogénito. Nas críticas esparguete da especialidade, era só: a primeira tinha a pilinha maior, a primeira tinha o cu mais definido, a primeira fazia a roda e a rodada. Massa enfadonha, de uma letra a seguir à outra, que não soube de facto ver o óbvio

Batalhas musicais, do início ao fim (II)

Imagem
No seguimento da eterna questão, Bed of Roses ou Always , surge outra não menos importante: início de Inside Man ou final de The Breakfast Club ? Ou seja pay strict attention ou sincerely yours ?

A iminente picada da abelha

Imagem
Nos posters do Nicky as pessoas estão quase sempre a mamar-se na boca. Exprimi-me mal. Quase sempre a quase mamarem-se na boca. Nunca há beijinho. O que também é bom. Para manter o respeito. Mas a pergunta super divertida é: se, numa armadilha tipo Saw , tivessem de levar com um ciclo de cinema Nicholas Sparks , e só pudessem excluir um, qual excluíam? 

Da categoria do impressionante

Imagem
Ben Mendelsohn

A lotaria dos cristos

Imagem
De vez em quando lá se encontra um saco de pancada. Um mal necessário. Um John Carter que se publicita flop, bem antes de o ser, bem antes dos filmes do lado, para garantir o vazio. Este ano Fantastic Four na rifa. Shyamalan , pode ser que te safes. E pimba porrada na jovem promessa, no quase autor, que se chateou com o estúdio porque lhe roubaram os olhos. A questão é: quando é que o dito procedimento não acontece? Quando é que o filme dos grandes é realmente do pequeno génio? Nunca, claro. Vivemos é com uns mais putas que outros, mais velhos, mais cansados, mais mudos. É só isso. Ao início ainda me deixava levar, num ou noutro. Hoje estou cansado. Ant-Man é muito giro, é um heist movie , é uma revolução, é um novo caminho. Foda-se não é nada pá*. É um filme onde um gajo fica pequenino e luta com um mau que também fica pequenino, tudo porque este último quer criar super soldados e governar o mundo. Ou ficar só rico, sei lá. A sério? Com pessoas que ganham a vida a escrever não c

Batalhas musicais, do início ao fim

Imagem
Nestas pausas mais quentes, depois de tentar, desesperadamente, descobrir quem foi o cabrão que inventou o verão, passo para outra dor de cabeça. Qual é melhor, o início de Exit Through the Gift Shop ou o final de Tinker Tailor Soldier Spy ?