Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2016

Birras e birrinhas

Imagem
Foda-se, ontem pus a sacar o The Boy , aquele com a gaja do The Walking Dead , que é tipo o Annabelle mas com um boneco homem. Podem também pensar no Chucky . Mas pronto, eu todo lambão, já cheio de pau para ver mais esta bosta, quando de repente, a testar as legendas, constato que é um The Boy falso com um puto que no poster tem tipo uns cornos de veado. Fiz cá uma birruça.

Esta sim, a grande beleza

Imagem
Mustang dá o jogo como ganho. Usa a temática como goleada instantânea e esquece-se dos remates. Dos desvios, fintas e cinturas. A tempos, não chega, parece que não chega. Parece porque de facto soma os três pontos. E soma-os, com a beleza das miúdas. É impressionante, escrever será sempre menos, as miúdas são tão bonitas, estão filmadas de tal modo, que cada cena é um poema. Elevam-se num todo de feições, cabelos ao vento, olhos ao sol, saindo daquele vaso e representando algo maior, inacreditável. Fôlego, em estado bruto.

Os monstros do sul selvagem

Imagem
Dentro do sub sub sub sub sub género filmes antologia de terror com histórias que de alguma forma ligeira se ligam e se passam todas no sul, Southbound é das melhores coisinhas que por aqui pousaram nas últimas migrações. Não inventa nada, não surpreende, mas mantém-se fiel ao desconforto e à violência. Ao terror seco e cíclico das grandes planícies, do inferno lá está.

Podemos sempre voltar atrás e tentar evitar este casting

Imagem
Ou como lhe costumo chamar, cá em casa, o James Cancro . Não consigo de facto, muito intrínseco, não chega, nunca chegou. Ele e o gordo do Rogen . Eternos ratos de uma montanha que insiste em não fechar as pernas, e qualquer projecto tem em mim o inverso de Midas. Poderá ser da constante ineficácia representativa, poderá também ser da pouca vontade em alterar essa ineficácia. Cara de frete. O que aborrece num projecto que prometia - e que irei acompanhar com os tradicionais balões de soro - que tinha a premissa, os meios. Falta o ator.

A mulher sem coração

Imagem
Creditada como Heartless Woman , é ela que não sai da cabeça. Ali está, de pé, à beira da cama, sem nada mas com tudo o que precisa. Suores, o supra sumo de uma evolução. Ainda mais fodido na medida em que sobrevive, sem espinhas, no mundo onde não há escolhas. Todos os outros, de sangue quente, concluem a crueldade de um caminho, uma opção ainda mais bizarra; não se foge à monstruosidade de ser vivo. Ela tenta, e quase consegue.

Quem é que vamos chamar quem é?

Imagem
As pessoas que estão ansiosas pelo trailer do novo Ghostbusters já se começam a reunir.

Aquecimento da beijaria

Imagem
O dia dos namorados é só amanhã mas para aquecer ficamos já com o linguadão que o Richard Gere espeta à Julia Ormond no First Knight . Foda-se ainda hoje tenho pesadelos com este papanço.

Não é apenas mais uma casa

Imagem
Já estive a procurar, não morreu aqui ninguém. Diz ela. O que reconforta sempre: saber que não é a merda do fantasma de uma gaiata que se matou, ou que foi assassinada e enterrada junto à nespereira. E que agora quer avisar os novos residentes que o cabrão vive no fundo da rua, ao lado da tabacaria. The House on Pine Street ganha logo aí, ao conseguir voltar a uma casa, simplificando. Reduzir aqui é ampliar. Um pouco como The Innkeepers , em que os fantasmas somos nós, construções exageradas dos nossos medos. O importante, aqui e lá, é perceber isso a tempo.

Ainda as ondas gravitacionais

Imagem

Todos convidados

Imagem
Janta .

Não deixa de ser uma viagem

Imagem
Nem foi tanto a falta de sub-texto. Ou melhor, o problema é que a falta desse sub-texto levou a um decréscimo da classe gargalhal. Trocando por miúdos, a simplicidade faz com que o filme tenha muito menos graça. E um elemento essencial da casa é a subtileza, de referências inacreditáveis, de piadas fora do tempo que apenas naquele clique fazem sentido, é o toque inigualável que no jovem Arlo se perde. Ganhamos porém aquela que é a obra visualmente mais bonita, com texturas que nos deixam de punho na bochecha, ao som daqueles toques de western. A viajar, o que já não é nada mau.

Só falta agora o terceiro The Collector

Imagem
Porque no que toca a purgas estamos de barriguinha cheia. Um primeiro filme mediano mau, que deu lugar a uma malha saudável, que soube expandir o universo de forma inteligente e satírica. Um protagonista sólido, ruas desoladas, e os gritos, a sociedade sempre a encontrar o seu caminho, mesmo nas mais bizarras regras. The Purge: Election Year mantém os pontos fortes do anterior, com adição máxima: política. Sempre lá, mas agora ela própria em jogo, no jogo. 

Tão isto

Imagem
Nunca tinha postado com o "tão isto" no título, e como o "tão isto" está na moda, decidi arriscar. Tipo é tão isto. O próprio tão isto é tão isto. E sabem o que também é tão isto? Os Miguéis no cinema de Hollywood, são sempre sul americanos, depois numa ligeira variação saltitam entre maus do boxe e jardineiros. Há também o rancheiro do Tremors , que dadas as circunstâncias é o meu favorito.

Nicholas Sparks contra ataca

Imagem
O gajo acordou, trailer do Me Before You , um filme com a Khaleesi a fazer de feia e o Finnick a fazer de tetraplégico. Ela vai cuidar dele e depois apaixonam-se e é difícil e uma choradeira do caralho. Ele ficou todo fodido: mas como é que eu não me lembrei disto?! Como???? NOOOOOOOOO!! E na sua raiva adapta logo nessa tarde mais um dos seus 479 livros: The Choice , com uma história em que eles se apaixonam mas depois ela fica em coma. Meteram-se com o mestre, agora chupem.

Dos finais com história

Imagem

O nome dela não é a brincar

Imagem
Let Us Prey é daquelas malhas mais e mais retorcidas. Irlandês, pequenito em orçamento e cenário, apertada esquadra, mas amplo em presenças, Liam Cunningham e um borrachão chamado Pollyanna McIntosh . Senhora do The Woman , que eu ainda não vi. E assim se cria um bom pretexto, para em loop nunca sair do género. Perceberam como se faz? Pronto, esta é à borla meus lindos.

A excelente emoção dos oitentas

Imagem
Foi numa das muitas sessões de gravação do melhor podcast de cinema do mundo - nós os três não nos falamos, tipo a malta dos Scorpions , cada um grava sozinho em separado e depois o meu primo Hélder junta tudo - que caí em mim e no escuro facto de nunca ter visto Bill & Ted's Excellent Adventure . E é quase com uma nostalgia lamechas, quase quase na pelúcia, que me dou por vencido, ali à beirinha dos 90. Como se aquele último ano fosse a despedida, uma súmula da enorme aventura que foi crescer e viver cinema, com respeito pela história e sua importância mas com a ingénua coragem de um futuro. De ser também personagem. E é aqui, que de punho erguido, qualquer blogger pensa de imediato em mudar o mudo.

Tanta higiene

Imagem
Spotlight é o Argo deste ano. E o Argo já era outro filme sequinho qualquer que eu não me lembro para dar como exemplo. Incompetente. Eu e um bocadinho o McCarthy . Um gajo que vem de obras tão pessoais, tão devotas à personagem, às suas angústias e diferenças, cai na fé do relato jornalístico. Como se a denúncia bastasse para chocar, e o resto pudesse acompanhar discretamente essa marcha. É mais um para a história, do rei vai nu e com a barriga cheia de óscares.

O rapaz que está um ano atrás e não sabe

O que acham dos nomeados? O Boyhood tem hipóteses ou será que o Birdman limpa isto tudo?