Filme Dengaz

Eu queria dizer que não mas não consigo. Ficção científica florestal, carregadinha de verde e acampamentos esquisitos. Como aquelas escolas contentores, de apenas um ano, até acabar a obra; depois vamos a ver e já lá estamos há dez. The 100, After Earth, lembra esse regresso à natureza, essa fusão com um suposto zero (des)conhecido. Oportunidade que depois se corrói nos vícios do costume. Existe em Chaos Walking uma excelente premissa, com origem na trilogia homónima de livros, da autoria de um dos argumentistas, Patrick Ness. Não sei se foi já com olho num possível futuro, ou no desespero da ausência do mesmo, que se tentaram enfiar nestes 109 minutos demasiadas coisinhas. (SPOILERS) Temos a questão ruído, com toda uma origem oculta e um propósito pouco claro. A nível de mecanismo serve muito pouco a ação, a problemática. Podemos tirá-lo e o filme continua a fazer sentido. Visualmente é um mimo, especialmente em grupo e nas projeções da malta que já sabe utilizá-lo de forma mais profissional, mas enquanto núcleo diferenciador parece que nunca se justifica. Depois vem a questão do desaparecimento das mulheres (a única tentativa de ponte com os balões de pensamento), da diferença dos géneros, do livro aberto e do guardar um segredo, que acaba por ser pouco explorado ao entrarmos logo noutro acampamento onde aparentemente tudo é mais normal. Em tantos anos de vida o Tom Holland não pensou em explorar mato, em ir dar uma volta? E a espécie indígena, com direito apenas a uma pequeno cameo? Que tipo de conflito existiu? Ainda existe? Porque é que lhe falta um braço? Os mistérios resolvem-se e levantam-se sem peso, ligados mas sem objetivos. Por fim a Daisy Ridley, que se despenha no planeta e precisa de contactar a sua nave mãe, para dar início a uma segunda vaga de colonização. Acaba por ser esta a linha central, mas cada um destes novelos representaria sozinho um filme. Os atores esforçam-se, os efeitos também, mas no fim do dia, por muito que eu queira ter uma refeição prazerosa neste buffet, é comida a mais.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quem sabe um dia

Mais uma dentada no queijo