sábado, 17 de outubro de 2015

Afinal não queremos o Green Inferno já

Foda-se. Anda um gajo a contar os dias, bate tecla hoje, bate tecla amanhã, para que saia qualquer versão, por mais web ou legendada em coreano que fosse, para isto. E o que é isto? Isto é o Eli Roth a desresponsabilizar-se do mundo. Por mais que fosse e tivesse sido, sempre vi nele uma certa ideia, o gore e o porn lá pelo meio, a carregar e a abusar, mas existia um conceito, uma lógica. Knock Knock, por mais insípido que fosse, tinha uma linha, e tal, sim senhor, o gajo pinou, gajas boas, ai ai, era casado, tau tau, um jogo e pronto. Agora, o que sucede, é que, em primeiro lugar não temos atores alguns. É a namorada dele e possivelmente os primos da mesma, ou então um grupo de estudantes de primeiro ano que ia a passar por ali. Alguma coisa, pois não se narra, nem a TVI pratica tal amadorismo. Em segundo, tem um primeiro ato miserável, sem sentido e repetitivo. Mete-os logo na selva caralho. Estás a construir o quê? Nada não é? Então se é nada passa logo para a frente. Para a tribo, terceiro ponto, melhor do filme, mas completamente subaproveitada. Mereciam muito mais, quer o gajo de amarelo quer a senhora que arranca os olhos ao gordo. Os festins são bons. Mas falta o medo e a tensão. Quarto e último ponto. Os gajos presos mas sempre a sair e a fugir. Parece a prisão de Coimbra que a malta sai para ir beber um café ao Cartola e depois volta. Não não não. Tem de haver plano, tem de haver escape, tem de haver perseguição, não é uma gaiola podre de madeira toda a aberta onde de 5 em 5 minutos alguém foge para levar logo de seguida com mais uma seta no pescoço. Muitos dados mamaram aqueles moços. O final, poderia ser o quinto ponto não estivesse eu todo fodido, chateado e tivesse decidido, mesmo agora, acabar o texto aqui.

2 comentários:

alucardscorner disse...

Génio! Estive como tu, todos os dias a fazer F5 a espera do filme. Agora que saiu e depois do sofrimento do Knock Fode. Fiquei com um pé atrás, agora com este texto provavelmente vai ficar ali no disco até um próximo século.

Miguel Ferreira disse...

Experimenta à mesma. Tem gore porreiro. O problema é que só tem gore porreiro!